sábado, 1 de outubro de 2011

Processadores VIA

VIA QuadCore

Não sei bem por que, mas eu sempre tive simpatia para com os processadores da VIA. Talvez porque tive a oportunidade de usar placas soquete 7 (e as "super 7"), para as quais nós tínhamos, naquela época, uma variedade bem maior de processadores disponíveis: Intel Pentium e Pentium MMX; AMD K5, K6, K6-2 e K6-III; Cyrix 6x86, 6x86MX e MII; IDT (Centaur) WinChip e WinChip 2.

A partir do momento que Intel e AMD, as duas maiores do mercado de CPUs x86, decidiram usar barramentos proprietários na comunicação de seus chips com os chipsets, os já combalidos demais fabricantes foram postos para escanteio de vez. A Cyrix foi vendida para a National, que não conseguiu nada com a compra e passou a empresa adiante rapidamente para a VIA. Além da Cyrix, a VIA comprou da IDT o que sobrou da Centaur.

Os processadores VIA, apesar de no início usarem o nome Cyrix, foram todos baseados em projetos da Centaur.

- Samuel 1 (C5A): 128KB de L1 (64KB + 64KB), 0KB de L2. Pipeline de 12 estágios, FPU rodando à metade da frequência do processador, instruções MMX e 3DNow!, FSB de 66, 100 ou 133 MHz dependendo do modelo. Socket 370, técnica de fabricação de 0,18u, Vcore de 1,9V. Versões disponíveis: 500, 533, 600, 650, 667 e 700. (a maioria dos Cyrix III usa esse núcleo)

- Samuel 2 (C5B): O mesmo Samuel 1 só que com 64KB de L2 (o que ajuda muito), técnica de fabricação de 0,15u e Vcore de 1,6V. Versões disponíveis: 700, 733, 750 e 800 MHz. (aqui a VIA já tinha mudado o nome do processador para C3)

- Erza e Erza-T (C5C e C5M): O mesmo Samuel 2 só que agora produzido usando uma técnica de fabricação de 0,13u e um Vcore de 1,35V. Os "-T" usavam a mesma sinalização dos processadores Intel soquete 370 com núcleo Tualatin. Versões disponíveis: 800, 850, 866, 900 e 950 MHz (800, 866, 933, 1000 e 1133 MHz nos Erza-T).

- Nehemiah (C5X): Aqui a VIA mudou a arquitetura. O pipeline passou para 16 estágios, a FPU passou a rodar na mesma frequência do processador (o que ajuda bastante) e foi introduzido suporte a instruções SSE. Este núcleo passou a ser compatível com o conjunto de instruções da arquitetura P6 da Intel, ou seja, foi o primeiro processador i686-class da VIA. Versões disponíveis: 1; 1,2 e 1,4 GHz. (o nome do processador foi mudado para C7)

Todos esses núcleos, com exceção talvez do Nehemiah, tinham desempenho sofrível. Com o Nehemiah melhorou um pouquinho, mas ainda era um processador muito fraco comparado aos modelos da Intel e AMD. Todos eles estão obsoletos.

Hoje a VIA tem os núcleos Esther e Isaiah. Esther é um Nehemiah melhorado com SSE2/3, NX bit, maior L1, melhor gerenciamento de energia, usado nos C7-D e C7-M, encontrados em alguns barebones e netbooks/notebooks de baixo custo.

Isaiah, por outro lado, foi um salto considerável, pois o projeto recebeu várias melhorias na arquitetura, como suporte a x86-64, instruções de virtualização (compatível com VT-x da Intel), instruções de criptografia (VIA PadLock), capacidade de processar instruções fora de ordem e um design superescalar, com sete unidades de execução, cache exclusivo e SSSE3. Os VIA Nano usam o núcleo Isaiah.

O próximo passo foi colocar dois núcleos Isaiah na mesma pastilha de silício, saindo assim o VIA Nano X2. Depois, colocar duas pastilhas no mesmo encapsulamento, resultando no VIA QuadCore. Ambos usam o barramento "V4" da VIA, um FSB, para intercomunicação entre os núcleos e o chipset. Nada espetacular, mas para um chip barato e econômico está de bom tamanho.

Pena que a VIA não tem licença para usar nenhuma plataforma popular da Intel/AMD e não tem cacife para bancar um soquete próprio que chegue às massas. Depende de vender placas prontas ou vender os componentes para integradores fazerem o projeto.

O foco da VIA nunca foi competir em desempenho com Intel e AMD. O objetivo sempre foi produzir processadores de baixo custo que consomem pouca energia e, portanto, dissipam pouco calor. O Nano é um processador competitivo, que não faz feio frente ao Atom.

Links

Arquitetura Isaiah
http://techreport.com/articles.x/13996
http://arstechnica.com/hardware/news/2008/01/via-cpu-isaiah.ars/3
http://www.extremetech.com/computing/77840-the-via-isaiah-architecture
http://hothardware.com/Articles/VIAs_Glenn_Henry_Speaks_On_New_Low_Power_Isaiah_Processor2/
http://www.linuxfordevices.com/c/a/Linux-For-Devices-Articles/Glenn-Henry-on-the-Isaiah-architecture/
http://benchmarkreviews.com/index.php?option=com_content&task=view&id=180&Itemid=1

Benchmarks
http://arstechnica.com/hardware/reviews/2008/07/atom-nano-review.ars
http://www.tomshardware.com/reviews/shuttle-xs29f-nano,2397.html
http://www.pcper.com/reviews/Processors/Nano-and-Intel-Atom-Review-Battle-Tiny-CPUs?aid=597&type=expert&pid=1
http://hothardware.com/Articles/VIA_Nano_L2100_vs_Intel_Atom_230_Head_to_Head/

Nano X2
http://www.tomshardware.com/news/Nano-X2-dual-core-Isaiah-VIA-Nano-40nm-fabrication,11885.html
http://www.pcworld.com/businesscenter/article/215656/via_goes_dualcore_with_the_nano_x2_chip.html

QuadCore
http://techreport.com/articles.x/20932
http://www.anandtech.com/show/4332/vias-quadcore-nano-gets-bigger
http://hothardware.com/Reviews/VIA-Launches-New-QuadCore-Nano-Targets-Low-Power-Markets/

Nenhum comentário:

Postar um comentário