domingo, 22 de janeiro de 2012

Memória virtual no Windows

No Linux eu nem perco tempo com partição swap mais. É masoquismo em desktops com 4GB ou mais de RAM na maior parte dos cenários. Programadores proeminentes do encanamento, como Lennart Poettering e Kay Sievers, já deixaram claro, mais de uma vez, que quando swap é necessára quer dizer que você já perdeu. Em outras palavras: compre mais memória.

Mas e no Windows? É diferente?

No meu tradicional passeio somente leitura no FGdH, achei este tópico onde o OP diz (linkando o XP Myths) que swap no Windows seria obrigatório, mesmo com bastante memória.

A razão que o XP Myths dá é simplesmente uma explicação do funcionamento da memória virtual! Grande explicação, hein?

Quem sabe seja melhor nós escutarmos Mark Russinovich, o guru do Windows?

Ch9Live at Tech.Ed NA 2010 - Ask Mark Russinovich Anything... LIVE! (Channel 9)

Posição 11:45. Transcrição resumida:

Platéia: podemos rodar o Windows sem swap?
Mark Russinovich: é claro que sim. [...] O sistema rodará muito bem.


Quer ter certeza absoluta? Baixe o Process Explorer, execute-o e trabalhe normalmente na máquina por algum tempo, rodando tudo que tem direito. Vá em "View -> System Information...", guia "Memory". Se "System Commit" não ultrapassar a quantidade da RAM física, você provavelmente não precise de swap (o pico máximo desde que o sistema foi iniciado está em "Commit Charge (K) -> Peak").

Porém um mito existe: rodar o Windows sem swap não melhorará o desempenho. Nem piorará. No Linux é mais relevante, pois todas distribuições empurram partição exclusiva para isso. No Windows é mais tranquilo, afinal é um arquivo que pode ser redimensionado, movido, habilitado, desabilitado com facilidade.

Mark também dá uma pequena aulinha do tamanho requerido para o arquivo swap quando for necessário usá-lo. O cálculo é bem simples:

SWAP REQUERIDA = COMMIT PEAK - RAM FÍSICA

Essa coisa de x1,5 o tamanho da RAM física é puro chute. O tamanho recomendado depende exclusivamente da carga que você for rodar. Como a Microsoft não tem como saber de antemão, eles colocam um valor pessimista e tiram da cartola os "1,5" para a documentação.

[Atualização]
Post relacionado:
Esclarecendo a questão do PAE nos Windows 32-bit domésticos (vulgo 'use um Windows 64-bit')

Nenhum comentário:

Postar um comentário