quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Fedora 18 Alpha: o que vem pela frente

É hora de falar do futuro Fedora 18. O Alpha ainda não foi lançado, mas já podemos adiantar o que vem por aí.

https://fedoraproject.org/wiki/Releases/18/FeatureList

Como sempre™, muitas novidades.

- Avahi por padrão no desktop
Serviços que usem-o funcionarão automaticamente (ex. CUPS).

- firewalld
Os serviços iptables e ip6tables (que chamavam os shell scripts /usr/libexec/iptables.init e /usr/libexec/ip6tables.init) se foram. O firewalld é um daemon de firewall dinâmico, com o conceito de zonas, que não requer que as conexões ativas sejam reiniciadas para aplicar novas regras. A GUI do NetworkManager agora traz um applet para sua configuração e instalações em modo texto (que também usam o NM desde o F17) têm o arquivo de configuração /etc/firewalld/firewalld.conf, o comando firewall-cmd e os arquivos /etc/sysconfig/network-scripts/ifcg-<interface>, que passam a suportar uma nova opção ZONE para definir o tipo de rede (ideal para configurações mínimas sem customização).

- Atualizações offline com o Gnome + systemd
Quando o yum detectar que existem atualizações disponíveis, ele baixará e não instalará nada. O menu do Gnome 3.6 neste caso mostrará uma nova opção para "aplicar as atualizações", que fará o sistema reiniciar. Aí o systemd inicializará um ambiente mínimo (um novo target), rodará o yum e, ao terminar, reiniciará.

O objetivo é fazer as atualizações num ambiente mínimo e controlado, onde substutir arquivos abertos não cause problema (é impossível atualizar e passar a usar a versão nova na mesma hora de pacotes como dbus com o sistema completo rodando) e entregar no final um sistema com as atualizações aplicadas ao usuário.

Como o system-update.target é enxuto, o systemd o levantará na velocidade da luz. O tempo que será gasto na renicialização será o que o yum demorar.

- Suporte ao Secure Boot
Ver tag uefi do blog.

- Samba 4
O Fedora 18 virá com o Samba 4 (em estágio beta provavelmente). Infelizmente, o suporte ao AD DC não estará habilitado pois não ficará pronto a tempo.

- /tmp montado sobre tmpfs
Comentei aqui. Existe certa contrariedade a mudança.

- Gnome 3.6, KDE 4.9, XFCE 4.10
Atualizações de sempre.

- Anaconda redesenhado
O instalador do Fedora está com outra cara, totalmente redesenhado. Outra novidade é que agora o Anaconda não cria senha para a conta root e passa a tarefa de criá-la ao firstboot -- com exceção das instalações em modo texto (RHBZ#849250).

- Nova experiência inicial (Gnome apenas)
Aquela tela inicial do primeiro boot onde o usuário é criado também está redesenhada (e com integração ao GDM).

- Nova forma de selecionar DMs
O serviço prefdm.service e o shell script /etc/X11/prefdm se foram. Agora, cada pacote traz seu próprio serviço (gdm.service, kdm.service, etc), que é habilitado diretamente através do systemd com systemctl enable --force xyz.service. Todos os arquivos unit dos DMs ao serem habilitados passam a ser um alias do serviço display-manager.service, único com o qual o systemd se preocupará. As mídias usam o suporte a presets do systemd para habilitar o DM correto de acordo com o DE escolhido.

- Autohinting por padrão
O FreeType poderá usar autohinting por padrão em todas as fontes. A partir do Fedora 15, primeira versão a ter o Bytecode Interpreter (BCI) habilitado no FreeType graças à expiração das patentes, fontes que possuem informações de hinting são hintadas com base nelas e as demais via autohinting. Akira Tagoh acredita que o autohinting dá melhores resultados que o hinting. Fontes que não fiquem boas terão seus pacotes modificados para desativá-lo seletivamente.

Nota-se de imediato que as fontes ficam menos fininhas.

2 comentários:

  1. tmpfs no /tmp o Arch já usa faz tempo, e eu nunca notei grandes problemas, assim como usar .service files para DMs separadas. Estou com um pé atrás nessa novidade de atualização offline do Gnome (espero que seja realmente rápido, uma das coisas que mais gosto no Linux e odeio no Windows é o tempo que demora para fazer atualizações do sistema), mas ter um firewall controlado via GUI vai ser interessante. Autohitting por padrão era necessário faz tempo (eu ODEIO o fontconfig padrão do Arch, as fontes ficam muito ruins e por isso eu uso um fontconfig com um patch conhecido como Infinality). E por fim estou curioso do novo Anaconda, a versão anterior era muito feia (principalmente comparado com o instalador limpo do Ubuntu).

    Estou muito interessado em testar o Fedora 18, esperando a versão final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A renderização das fontes pelo que entendi voltará ao que era até o F14. Ou seja, o BCI terá (caso o autohinting em tudo seja implementado mesmo) vida curta no Fedora. Continuará habilitado, mas não será quase usado. Como o Fedora não habilita o subpixel rendering (mais patentes...), não será dessa vez que uma renderização Ubuntu-like virá ao Fedora. *Existe o pacote freetype-freeword no RPM Fusion que vem com subpixel rendering.

      Baixei o F18 Alpha TC5 e o Anaconda está... sei lá, diferente. Eu gostava do Anaconda antigo. Era um instalador bom para usuários avançados. O novo instalador simplifica para os leigos, mas por exemplo não existe mais a opção "Usar o máximo espaço disponível" no particionamento personalizado, o que me faz falta. E fora que está bugado -- tive dois travamentos nele, um eu reportei e outro já havia um report no Bugzilla. Precisará melhorar muito até a versão final.

      Excluir