quinta-feira, 9 de abril de 2015

systemd-fsckd: a volta dos que não foram

O pessoal da Canonical adicionou na versão 219-git um novo daemon ao systemd, o systemd-fsckd. Na futura 220, será removido.

Implementa um recurso que o Ubuntu tem (desde sempre?) de exibir durante o boot gráfico (Plymouth) o progresso da verificação dos sistemas de arquivos, além de oferecer ali opção para o usuário cancelar o processo.

Está sendo removido por alguns motivos:

- O systemd-fsck (sem o "d" no final), que roda o fsck genérico (que, por sua vez, roda o fsck de cada sistema, ufa!) e existe há muito tempo no projeto — sem integração com o Plymouth —, já é considerado um hack. Sistemas de arquivos que requerem fsck preen são tecnologia do passado. Btrfs não precisa, XFS nunca precisou. Falando no XFS, agora que o formato v5 está pronto, seu futuro é ser o máximo possível self-healing.

- Oferecer opção para cancelar o fsck é arriscado. É dar aos usuários a arma engatilhada para o tiro no pé.

- As verificações completas disparadas por intervalo de tempo ou número de montagens dos EXT são nonsense e são desativadas no mke2fs upstream faz tempo.

- O daemon, apesar de ter passado pela análise de Zbigniew antes de ser adicionado no repositório, era uma pilha de bugs graves. Parte dos bugs foi consertada, mas o design geral da coisa não agradou Lennart e outros desenvolvedores. Eles preferem que o código vá para o Plymouth e o esquema de ficar passando dados de um daemon para outro seja radicalmente simplificado.

Acho que a exibição do progresso é útil e o daemon deveria ser mantido. A capacidade de interromper a verificação, entretanto, não. Foi o que Martin propôs. Se não houver entendimento, que pelo menos seja movido para o Plymouth e não continue sendo um recurso exclusivo do Ubuntu.

Também acho que o processo de aceitação dos patches foi mal conduzido. Zbigniew deixou passar um código sem a mínima condição de ser aceito. Depois, porque nem o design do que era aceitável ficou claro entre os mantenedores e o time da Canonical. Faltou comunicação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário