segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Intel Rapid Start Technology

Recurso gerenciado pelo firmware, que, depois de um (configurável) tempo, ou depois da bateria atingir baixo nível de carga, quando o sistema está no modo de espera, copia o conteúdo da memória para uma partição com identificador específico no SSD (só funciona com SSDs, não com HDDs) e desliga a máquina. Ao ligá-la, despeja o conteúdo da partição de volta na memória e engana o sistema operacional, que pensa ainda estar voltando do modo de espera.

Com o Rapid Start ativo, não faz sentido oferecer o modo de hibernação, porque a máquina estará em modo de espera ou, se as condições forem atingidas (tempo, carga da bateria), hibernada por conta do firmware, sem interferência do sistema operacional.

Ultrabooks costumam ter um SSD mSATA pequeno, entre 16 e 32 GB, para uso com o Rapid Start. O firmware apenas disponibilizará o recurso se achar a partição adequada nele tendo no mínimo o tamanho da quantidade de memória instalada. Vamos imaginar que o SSD esteja limpo, como novo, depois de um secure erase. Criamos a partição:

diskpart
list disk

Se "Disco 1" for o correto (observe pelo tamanho):

select disk 1
clean

REM PARTICIONAMENTO MBR
create partition primary size=XXXX id=84

REM PARTICIONAMENTO GPT
convert gpt
create partition primary size=XXXX id=D3BFE2DE-3DAF-11DF-BA40-E3A556D89593

exit

(o clean é redundante se estiver zerado, mas deixamos para o caso de haver algum particionamento anterior)

O tamanho é configurado pela opção size (especificado em mebibytes): 4096 (4 GiB), 8192 (8 GiB), etc.

Reinicie, assim o firmware verá a partição no lugar. Por fim, instale o programinha da Intel, que dirá se está ativo e dará opção para configurar os parâmetros (pode ser feito através do setup também): https://downloadcenter.intel.com/Detail_Desc.aspx?DwnldID=21612

Outro cenário é você ter apenas o SSD e querer colocar a partição do Rapid Start ao lado do sistema operacional. Ou quem sabe ao lado de uma partição de dados. Resume-se a ter o identificador e tamanho adequados. Esta partição não será exibida no Windows Explorer, pois ele sabe que não contém um sistema de arquivos de seu interesse (ver Dual boot em UEFI: Windows não oculta partições Linux) — não conterá nenhum sistema de arquivos na verdade.

Eu não testei no Linux. Em teoria, basta ter a partição no lugar como no Windows. A parte faltante seria fazer os ambientes desktop não mostrarem opção para hibernar quando estivesse ativo. Apareceram patches para implementar tal comportamento no systemd tempos atrás, porém não foram aproveitados. Podemos criar a partição com programas variados. Fico com o sgdisk (GPT):

# sgdisk -Z /dev/sdb
# sgdisk -n 1:0:<tamanho>G -t 1:8400 /dev/sdb

(substituindo <tamanho> pelo número em gibibytes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário