sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Discos rígidos com setores defeituosos no Linux

EXT4

Os sistemas de arquivos EXT podem manter uma lista de setores considerados defeituosos, que passam a ser ignorados. A lista não é gerenciada automaticamente pelo kernel e depende do espaço de usuário: e2fsck da suíte e2fsprogs.

O e2fsck (fsck.ext* são links apontando para o binário) oferece dois modos de funcionamento com as opções -c e -cc. O primeiro faz uma varredura somente leitura, enquanto o segundo é de escrita não destrutiva. Roda por baixo do capô [1] o badblocks, outro programa da suíte. No modo de escrita, lê os setores relativos ao bloco em teste, coloca-os na memória, escreve bits aleatórios e depois grava novamente os dados originais nos mesmos endereços LBA.

Todos os discos rígidos não arcaicos realocam por conta, durante escrita, setores ruins à medida que aparecem. Daí a utilidade da opção -cc.

Ao usar -c[c], -k define que setores ruins detectados na verificação atual serão adicionados à lista existente ao invés de substituí-la.

# e2fsck -ccky /dev/sdxy

-y evita ter que ficar respondendo perguntas a cada ocorrência de setor problemático. Assume todas respostas como yes. Fique avisado que o e2fsck zera por completo o bloco, caso esteja sendo usado, ao qual pertencia o setor ruim se este não puder ser lido.

XFS

O XFS não mantém uma lista de setores ruins. Se o disco está indo desta para melhor, a única coisa a tentar é rodar badblocks -n (-n ativa o teste de escrita não destrutiva) com o volume desmontado e rezar para que o firmware realoque o que for possível. Como os endereços LBA são mantidos, é transparente para o sistema de arquivos.

# badblocks -n /dev/sdxy

Especificar -b é desnecessário, pois não estamos interessados na eventual lista resultante, que é inútil com o XFS. Só precisamos que o programa desempenhe sua tarefa fazendo, por conseguinte, o firmware trabalhar.

Isso vale para qualquer sistema de arquivos que, igual ao XFS, não tenha o recurso, de questionada utilidade segundo o próprio Ted Ts'o.

Recomendação

Primeira providência é trocar o cabo de dados. Não adiantando, não confie mais em disco que comece a apresentar setores defeituosos. Considere o badblocks e e2fsck -c[c] paliativos até você jogá-lo fora e colocar outro em boas condições no lugar. Acompanhe os atributos SMART com o aplicativo "Discos" do GNOME ou pelas ferramentas de linha de comando do pacote smartmontools (ver man pages).

Sendo absolutamente necessário manter o hardware defeituoso, se possível, apague-o inteiramente escrevendo zeros e depois particione e crie o sistema de arquivos de novo. Alguns comandos limpadores (apagam tudo!):

# pv -S < /dev/zero > /dev/sdx
ou
# dd if=/dev/zero of=/dev/sdx bs=4k

Dá também para apagar apenas a área dentro do limite de partições especificando o dispositivo de bloco de cada uma (/dev/sdxy), assim o particionamento é preservado.

Eu criei um pequeno Linux para a tarefa anos atrás que seguidamente me é útil.

[1]
# strace -f -e trace=process -e signal=\!SIGALRM e2fsck <opções> /dev/sdxy

Nenhum comentário:

Postar um comentário